quinta-feira, 27 de maio de 2010

Conferência sobre Educação de Surdos e Surdocego do Especial ao Incluso

Realizou-se na cidade de Suzano-SP nos dias 28,29 e 30 de Agosto do ano 2008 a III Conferencia de Educação de Surdos E Surdocego do Alto Tietê com o tema “Educação de Surdos e Surdocego do Especial ao Incluso”, com carga horária de 30 horas.
Iniciou-se executando os hinos do Brasil e posteriormente o de Suzano, após foi apresentado os integrantes da bancada, Martinha Clarete D dos Santos(Coordenadora Geral de Articulações de Políticas da Inclusão no Sistema de Ensino/MEC), Marília Gonçalves de Morais (Diretora da Escola Anne Sulivan/ Escola Municipal de São Paulo que atende alunos de Inclusão da cidade paulista), Nelson Oliveira dos Santos( Representante da Secretaria da Educação Municipal da cidade de Suzano.
A primeira a tomar a palavra foi a representante do MEC, ressaltando a importância da educação nos dias atuais, e que esta educação deve-se ser levada a todos e deve ser de boa qualidade. Em Janeiro de 2008 o Governo Federal publicou uma diretriz para educação brasileira para Inclusão de pessoas deficientes, quebrando barreiras a todos os bens e serviços da sociedade, entretanto devemos cobrar providencias para mudar a realidade, uma forma de acompanhar a realidade e através do site: http://www.mec.gov.com.br/. Uma mudança importante publicada nesta diretriz foi oficializar a Língua de Sinais como segunda Língua Oficial Brasileira, e que garante o direito a todos os alunos de Inclusão a ter um interprete e tradutor para acompanhar sua caminhada educacional. a profissão de Tradutor e Interprete como forma de incentivar a Inclusão.
Após esta exposição sobre o que o governo esta fazendo no campo da Inclusão a Senhora Martinha relatou um pouco de sua trajetória educacional pelas dificuldade de ser deficiente visual, e que a deficiência não pode ser focada na pessoa e sim na sociedade, ou seja a sociedade deve criar condições para que a pessoa Especial não encontre nenhum obstáculo, pois se for encontrada esta dificuldade o problema esta na sociedade.
A segunda a tomar a palavra foi a Educadora Marília que é diretora na EMEE Anne Sulivam, escola que atende 287 alunos surdos, cadeirantes , deficientes intelectuais, mudos e surdosmudos. Relatou que os profissionais que atuam na escola em que dirige tem dificuldades para fazer novos cursos de aperfeiçoamento pois a Prefeitura da cidade de São Paulo não da nenhum suporte para eles, cabendo ao próprio profissional pelo amor a Educação e pelo seus educandos bancarem seus próprios cursos de especialização e de aperfeiçoamento. Posteriormente explicou como é realizado o trabalho com os alunos que atendem desde ensino infantil a o de jovens e adultos:
- A língua de sinais é considerada como primeira língua;
-Desenvolvimento da língua através da língua de sinais;
-Investimento de Libras para os pais;
-Pratica de educação baseada na concepção bilíngüe;
-Atenção para existência de uma cultura surda;
E acabou contando sua experiência profissional que atua não só na direção na escola e também como educadora dos educandos e também dos pais pois esta ai uma grande dificuldade, uma vez que estes na maioria das vezes não aceitam que seus filhos são crianças especiais e que precisam de uma atenção especial.
E por ultimo o senhor Nelson falou como representante da Secretaria de Educação de Suzano, sua fala se conteve em que o município esta fazendo e os projetos para o futuro do educandos especiais na cidade, entretanto foi muito questionado pelo profissionais presentes que atuam no município como educadores que afirmaram que estes projetos ainda são falhos e que esperam uma melhora para esta questão.
Com o fim das falas iniciou perguntas aos palestrantes sobre os temas abrangidos.
No segundo dia na parte da manha o curso de baseou na palestra do Senhor Américo Gardino Junior, Gerente de RH Corporativo do Grupo Schincariol do Brasil, grupo que desenvolve um trabalho de Inclusão de pessoas especiais por todo Brasil. Iniciou com a história da empresa situada e Itú-SP, e a necessidade de ter profissionais especiais em seu grupo como colaborador. Fez uma previa de como conseguiu convencer sua diretoria a contratar estes profissionais pela obrigatoriedade da Lei de Cotas do Governo Federal, e que em um segundo momento como o grupo Schincariol modificou esta visão e passou por um processo de adequação para uma melhor condição para estes profissionais, e que este trabalho hoje já é estendido por todo o país com parceria das prefeituras e Senai de cada cidade onde o trabalho é desenvolvido, e como fez para que os outros colaboradores aceitassem estes novos colegas especiais, durante sua palestra foi mostrado vários vídeos de forma s de Inclusão para portadores de deficiência.
Na parte da tarde foi a vez do professor Neivaldo Augusto Zovico que é diretor regional da Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos e Conselheiro do Conselho para assuntos da Pessoa Portadora de Deficiente do Estado de São Paulo, contou sua experiência como especial surdomudo, o seu papel diante da Feneis e do Cappd, e explicou um pouco da legislação no que diz respeito a pessoa especial, para maiores estudos esta documentado sua vida e seu trabalho no site: http://www.feneis.sp@feneis.org.br/.
Após foi a vez do primeiro interprete a trabalhar prestando serviço a uma Universidade no Brasil, como interprete e tradutor de alunos, o senhor Thiago Bordinhon contou sua experiência de como é trabalhar como tradutor e intérprete na área educacional junto a educandos especiais em sala de aula em nível superior, relatou as dificuldades e a satisfação de atuar nesta profissão ajudando estas pessoas especiais.
No terceiro e último dia a senhora Edna Pereira que e Pedagoga e Psicóloga e atualmente dirige o Instituto Nacional de Educação de Surdos situado na cidade do Rio de Janeiro ,que trouxe consigo alunos do Instituto que contaram suas realidades como pessoas especiais, preconceitos, etcs, a senhora Edna contou como é o trabalho da instituição que recebe fundos do governo federal, e por isso consegue oferecer u m bom trabalho e que posteriormente consegue incluir estes jovens no mercados de trabalho e na sociedade sem muitas dificuldades.
A parte final do encontro ficou por responsabilidade do senhor Carlos Roberto Lopes Nunes que é representante na America Latina dos direitos de pessoas portadoras deficientes, contou sua experiência como portador de deficiência cegosurdo e seu papel na America Latina ao combate da discriminação enfrentado pelas pessoas especiais.Todos os palestrantes com algum tipo de dificuldade especial foi acompanhado durante suas palestras por tradutores e interpretes uma vez que o publico presente contava com pessoas ouvintes, não ouvintes, surdos, surdomudo e cegos.

Everson Domingues - Estudante do 1° ano de Logística

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário